Data de publicação
02/08/2012 15:54

A possibilidade de o governo em todas as esferas (federal, municipal ou estadual) abrir as suas bases de dados e disponibilizar as informações para a população em geral, vai muito além da tese compreendida inicialmente da transparência e do combate à corrupção.

A transparência, embora necessária, neste caso seria apenas um dos elementos dentro dos diversos benefícios que o cidadão poderá contabilizar no médio e longo prazos, se as empresas do setor de software compreenderem o alcance da medida e perceberem que ela permite a criação de novos modelos de negócios. A possibilidade de interoperabilidade dos sistemas e a aplicação de uma camada de inteligência sobre essa massa de dados disponíveis abrem frentes para a prestação de novos serviços com retorno garantido para quem investir nessa direção.

O alerta foi dado nesta quarta-feira, 25/07, pelo diretor do Departamento de Integração de Sistemas do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Corinto Meffe, que debateu o tema conjuntamente com o vice-presidente da Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul (Procergs), Cláudio Dutra, durante o 13º Fórum Internacional do Software Livre, que termina no próximo sábado (28).

Segundo Corinto Meffe, essa grande massa de informações – até então retidas nos grandes sistemas govenamentais para consumo próprio ou como forma de controle da estrutura de poder – não está restrita apenas ao fornecimento de documentos ou planilhas. “Pensem em modelos de negócio. Pensem em ofertar para onde vocês já estão prestando serviço. E muitos aqui já estão com entes públicos”, destacou.

“A gente olha muito esse ativo pelo lado da cidadania. Nós podemos dar um salto de qualidade fantástica, esses dados viram negócios”, afirmou Corinto Meffe. Do ponto de vista governo, Corinto diz que não existem óbices para que empresas urtilizem essas informações para gerar lucro através da oferta de novos serviços.

CDTV do portal Convergência Digital gravou os principais trechos da palestra do diretor do Departamento de Integração de Sistemas do Ministério do Planejamento. Assistam:

Fonte: Convergência Digital